Felicidade

21 de August de 2008 às 6:31 pm

A morte é meu lar.

No qual eu espero chegar depois de ter conhecido muita coisa desse vasto mundo.

Nada é apenas um ponto.

13 de August de 2008 às 5:26 am

Não entendo como não compreende isso.

Não é apenas um ponto, e tudo que está ao seu redor ?

Um passo para esquecer

13 de August de 2008 às 2:14 am

Meu inimigo, guarde as lembraças de quem eu sou pois eu sei que me conhece melhor do que niguém pois faz parte da sua arte de ser me conhecer.

Pois, amanhã, amanhã posso precisar não apenas da luta do dia-a-dia, mas posso precisar de tudo que há de mim em ti.

“Quando eu morrer vou acordar para o tempo”

8 de August de 2008 às 3:01 am

(23:26:02) < Home Lab Home Lab
(23:26:21) > 😉
(23:27:59) > I take what I have mate… what life offers me without thinking about what I am missing.
If I started thinking about that I would get crazy.
(23:28:31) > You have no idea on the huge difference between being in here and being in Brazil…
(23:28:49) > So let’s enjoy what you have
(23:28:50) < I can’t imagine either.
(23:29:08) < Friends
(23:29:13) > 😉
(23:29:32) > Friends, girlfriends, work and life as it is.

E…

“Posso ouvir o vento passar,
assistir à onda bater,
mas o estrago que faz
a vida é curta pra ver…
Eu pensei..
Que quando eu morrer
vou acordar para o tempo
e para o tempo parar…”

by Los Hermanos.

Rumo a Barcelona

7 de August de 2008 às 4:10 pm

Acabo de entrar no primeiro trem rumo a Barcelona e já sinto saudade da minha pequenina Laura. Depois de tantas idas e vindas por este mundo de Deus eu já conheço bem este tipo de saudade, aquela mesma que eu sinto quando volto do Brasil.

Mas tem uma nuance diferente nesta de agora. Além da intensidade, eu sinto um certo vazio. Um bebê é algo que enche seu tempo e preenche um vazio que você não tinha antes ou que você não sabia que existia.

Eu agora compreendo quando os pais falam que é uma fase maravilhosa e que passa muito rápido. Isto é a mais pura verdade. É uma fase maravilhosa e o dormir pouco, os desesperos sem saber os motivos do choro, etc, não me incomodam nada. O duro é não estar participando 100% do tempo dos descubrimentos, da forma certa de dormir, das piadinhas com ela, de ver sua mínima evolução.

Será que estou corujando demais para um bebê de somente 20 dias?

No mais agora é seguir viagem, curtir muito o curto período em Barcelona porque aqui na Alemanha os revézes são muito grandes e eu já estava no limite do estouro com a mãe de Jana. Não estourei hoje por pura obra divina. Preciso entrar em algum grupo budista :-)

Piadas a parte, agora sigo meu caminho de trem em trem, avião em avião, e de ombro amigo a ombro amigo.

“Eu apenas queria que você soubesse que aquela alegria ainda está comigo”

4 de August de 2008 às 1:42 am

Eita vasto mundo. Muita coisa muito emocionante passando e também muita coisa que me faz pensar e me paraliza.

Mas isto não é o importante agora. Minha filhinha nasceu, com saúde e bem grandinha.

E eu que pensava que estas coisas nos envelheciam me sinto rejuvenecido. Me sinto um menininho brincando com minha menininha. É como brincar com uma boneca mas com muita responsabilidade. É muito bom estar com a filhinha apesar de sair muita faisca quando estou com Jana.

E eu canto, danço e até imito ela. Invento e reinvento para um bebê que ainda não entende nada do mundo e que tem uma capacidade de movimento e visão super reduzida. Mas, talvez corujando muito, vejo certas evoluções e adoro.

É verdadeiramente algo muito emocionante e eu aconselharia a todos.

E para aqueles que querem fotos resolvi criar um blog para Laura onde vou colocando as fotos de forma organizada. As fotos estão todas no Picasaweb mas estarão todas também no blog. E quero ver se consigo colocar os comentarios do que vai passando no dia a dia. Ao menos durante o tempo em que estarei com Laura (snif).

Ainda não sei como será o futuro.

Mas o futuro é um avião que ainda vai partir. Estou tentando curtir o avião no qual estou agora embora confesse que as vezes é um pouco difícil.

O blog está em:

http://laura.argollo.com/

PS.: Estarei em Barcelona entre os dias 7 e 12 de agosto fazendo trâmites de renovação do meu visto.

——

* Eu apenas queria que você soubesse – Gonzaguinha

“Encontros e despedidas” – Maria rita

7 de July de 2008 às 10:47 pm

“Mande notícias do mundo de lá
Diz quem fica
Me dê um abraço, venha me apertar
Tô chegando
Coisa que gosto é poder partir
Sem ter planos
Melhor ainda é poder voltar
Quando quero

Todos os dias é um vai-e-vem
A vida se repete na estação
Tem gente que chega pra ficar
Tem gente que vai pra nunca mais
Tem gente que vem e quer voltar
Tem gente que vai e quer ficar
Tem gente que veio só olhar
Tem gente a sorrir e a chorar
E assim, chegar e partir

São só dois lados
Da mesma viagem
O trem que chega
É o mesmo trem da partida
A hora do encontro
É também despedida
A plataforma dessa estação
É a vida desse meu lugar

É a vida desse meu lugar
É a vida”

Prometo mandar notícias em breve…

“E a vida, e a vida o que é diga lá, meu irmão”*

27 de June de 2008 às 1:54 am

Não sei se foi Genaro ou Zequinha que me falou isto  mas Meu amigo Alf me disse uma vez que a vida é como o ato de andar. É como equilibrar o ato de cair. É se ajustar como que de forma mágica ao terreno ao colocar o pé que nos move em uma nova posição, irregular e incerta, passando o peso do corpo e ajustando todo nosso centro de massa de forma tal que a gente não caia. Cair este que seria o ato mais natural. O natural seria uma queda e um consequente equilibrio em posição deitada ao solo.

Mas não. Nós caminhamos. Ajustamos como que de forma mágica nosso equilíbrio. Os pés, pernas, quadril e todo o resto do corpo trabalham em conjunto e logramos caminhar, correr.

Assim também é a vida. Nos movemos através do desequilíbrio sempre que estamos dando um novo passo e temos que ajustar nosso centro de massa para que o passo nos leve adiante. Se, por algum motivo, resistimos e movemos os pés sem que o resto do corpo se adapte ao movimento estamos nos arriscando a cair.

Por outro lado, tampouco podemos ficar parados.

———

* “O que é, o que é” – Gonzaguinha

Sorry

22 de June de 2008 às 3:41 am

Sometimes, all we need to do is say how we feel profound and deeply guilty.

And this would be lovely if followed by a simple word: “sorry”.

Johnny e CFP…

21 de June de 2008 às 12:35 pm

Vida tão corrida que nem coloquei que estou dividindo o ap com meu grande amigo Johnny. Pois é, João chegou faz um par de semanas para fazer o doutorado aqui na Espanha e, de quebra, parte de sua pesquisa será comigo lá no meu trabalho. Muito legal.

E como tem sido bom ter alguém em casa para bater papo. Não sei se tem sido tão bom para João porque acaba que não deixo ele dormir em horário normal e ficamos acordados madrugadas a fio. Num destes nossos papos eu comentava de quantas “chamadas de trabalhos” (call for papers) eu recebia e de como seria legal ter isto organizado junto com as oportunidades de post-doc e empregos na área de pesquisa em “high-performance computing”.

Entre conversa e conversa tivemos a idéia de montar um blog com estas informações de tal maneira que publicar seja o mais automático possível.

Criamos então o http://callforpapers.argollo.com com uma pequena infra-estrutura informática onde redireciono meus call for papers para um email e dois programinhas (um em ruby e outro em php) fazem um parser das informações e as publicam.

Assim passamos entre papos e programas umas boas madrugadas aqui em casa. Seja bem vindo João, boa sorte no doutorado e obrigado pela companhia…

« Prev - Next »