Archive for January, 2008

Solidão

31 de January de 2008 às 10:01 pm

Solidão é algo complicado para mim amigo, muito complicado mesmo.
E na semana passada esse sentimento voltou forte e me deixou muito ruim.

Mas saiba que estou tentando aproveitar outras coisas, a mudar outras e a refletir.
Estou procurando ver quem eu sou e do que gosto e do que não gosto em mim e nos outros.
Houve um tempo que nem isso eu sabia responder, pois estava sempre preocupado em ter…

Estou apredendo a gostar de outras coisas como cozinhar e a cuidar da casa.
Mas apenas estou funcionando, coisa que antes nem isso acontecia.
Mas aprender a ser feliz sozinho é um passo que vai demorar muito e não sei se um dia isso vai acontecer.
Sabe acho que preciso gostar de alguém e de que gostem de mim para eu conseguir ser feliz.
Talvez por isso eu me apaixone tão facilmente, apesar de ser muito difícil encontrar mulheres interessantes e apaixonantes.
Mulheres que realmente me interessam. Sendo assim, quando encontro eu me apaixono de verdade.

Indo à Londres II

31 de January de 2008 às 8:56 pm

Decidi ir a Londres de última hora. Quase já tinha me conformado em passar o carnaval em Braga. Ia ser puro trabalho, pois cancelei todas possíveis saídas avisando que ia viajar.

Mas como sempre tem ocorrido comigo nesses últimos meses, cancelaram a viagem comigo.

Por sorte, acordei num dia desses com a minha cidade encoberta por um manto de névoa. E eu adoro neblina meu amigo. Foi então que eu lembrei de uma feijoada, de um conversa sobre passear em Londres. E no dia da conversa tinha fica fascinado em conhecer as ruas, em beber nos pubs e em olhar para o céu e não ver o sol. E em sair com aquela mulher que terminei esquecendo por já estar apaixonado. Em continuar com aquela conversa envolvente, em reviver aqueles passos.

Então, decide ir a Londres e um amigo português e a sua irmã vão comigo.

E eu nunca vi neve caindo meu amigo. Com sorte ainda vou brincar na neve, fazer bonecos e guerra. E com certeza vou me sentir como criança que nunca viu o mar.

Indo à Londres I

31 de January de 2008 às 10:00 am

Não sei se já falei sobre isso, talvez. Não sei se já escrevi sobre isso.
Não importa, pois se me repito em algumas coisas isso é sinal que estou sendo eu.
Ou que essas coisas me definem.

Espero entretanto não estar repetindo tanto os erros. Ou que pelo menos esses sejam poucos e que mudem com o passar dos tempos.

Mas hoje de manhã cedo, eu me repeti. Brinquei de imaginar o seu rosto, o seu sorrio, a sua tristeza e o seu perfume. E quando cansava de imaginar, buscava uma foto para redefinir o que tinha errado. E voltava a imaginar e a buscar.

Passei horas sem sair da cama, nessa brincadeira de imaginar e concretizar. E nessa brincadeira percebi com mais clareza ainda que a tristeza floresce nos seus olhos e no seu sorriso. Hoje, imaginei você. E o perfume era um aroma que se misturava com o seu cheiro de mulher. Infelizmente, perfume que eu não sentirei hoje, por muito tempo e quem sabe nunca mais.

Meu amigo, por favor, diga a ela que tive que vir. E vou a Londres para poder dar valor ao brilho daquele sorriso. Vou a Marrocos para combinar o ocidental com um pouco do oriental. Vou a Grécia para entender a minha origem. E vou a Holanda não sei porquê… Talvez apenas para matar o tempo antes que ele me mate por não parar de imaginar e buscar.

Meu amigo, diga isso a ela. Diga que apenas faço isso para a esquecer por segundos, já que hoje ou quem sabe nunca eu a poderei ter. Diga a ela meu amigo que foi verdadeiro e sincero. Diga a ela que um homem é aquilo que sente e aquilo que vive. E hoje eu não sou ninguém, pois tudo isso não passa de um brincadeira de imaginar e buscar as suas fotos, pois aquele corpo não está aqui e muito menos chegou um dia a sonhar e a pensar em mim.

Meu amigo, muito provavelmente ela já tem um novo amor ou resgatou algum antigo desses ainda inacabados. E é para não pensar nessas coisas que vou a Londres.

Um bom Carnaval na Austria.

Amor

29 de January de 2008 às 11:11 pm

Escrevo essa carta para o meu novo amor que ainda não conheci. Escrevo essa carta em especial para você, mas também para aquelas pessoas que acreditam que não irão amar tão intensamente como amaram um antigo amor.

Com certeza terei tanto para dizer quando estivermos juntos e muitos momentos para desejar ouvir apenas o seu corpo. Mas seja quem for, quero deixar bem claro antes mesmo de a conhecer que a irei amar muito mais do que qualquer um dos meus antigos amores. Não se preocupe pois nunca disse a nenhum amigo ou amiga que nunca irei amar alguém como amei um antigo amor. Eu amei, foi intenso. pois se não fosse nem teria me dado ao prazer de me tirar da solidão. Eu amei e acabou. Eu sofri, chorei e como sempre pensei que iria morrer. Mas não se preocupe meu amor, eu amarei sem pensar no amanhã de forma tão intensa e apenas para você.

E espero que você faça o mesmo pois se não qual o sentido da vida?

Custa acreditar que alguém consiga viver com o fardo de nunca mais amar alguém como amou um antigo amor. Não se preocupe que será o meu grande amor durante a eternidade da sua existência.

Vamos brigar por um beijo mais forte no ouvido, pela comida que roubei do seu prato, pelo descaso com a louça, mas nunca por antigos amores. Acredite que quando eu te conhecer será o único amor capaz de me fazer mais feliz do que qualqer outro amor.

Coisas antigas, Bete

29 de January de 2008 às 12:35 am

Isso faz parte das coisas antigas de um backup. Não sei para quem escrevi esse texto. Talvez tenha sido para Bete depois de algumas conversas na praia enquanto os amigos jogavam bola. Talvez tenha sido para qualquer uma… Já não lembro, mas acho “legalzinho” o texto meu amigo e o deixo aqui:

Sem querer chorei. No inicio achei que chorava por sua senbilidade, pelas suas palavaras, por nós.
Mas depois descobri que chorava pq eu estava vivo e me sentia mais vivo ainda naquele momento.

Vc nem sabe mas precisava de tão pouco tão pouco, e o que me deu inundou de felecidade um coração que fraquejava. Por isso chorei. Chorei pq me sentia transbordando no prazer de ouvir suas palavras.
Chorei por sentir o seu cheiro e por desejar o seu beijo.

Coisas antigas, E-mail do cabra da peste.

29 de January de 2008 às 12:15 am

Ando a procura de um backup que nao sei onde está…. Mas amanhã vou assumir que não existe ou perdi. Mas encontrei vários textos que parecem que são meus. E uns textos de uma “amiga” que deve estar muito chateada pois não cumpri o que eu tinha prometido: digitalizar aqueles pensamentos maravilhosos. Não fui a São Paulo para a conhecer e sumi por causa de ciúmes do meu antigo relacionamento.

Infelizmente, publicar aqui as maravilhas que ela escrevia eu não posso. Essas eu fico lendo na privacidade do meu apartamento, tomando um vinho, etc… Entretanto, os meus pensamentos eu deixo aqui.

Ontem recebi uma mensagem de uma pessoa que não conheço, mas que de alguma maneira entrou na minha
vida. No título da mensagem a frase “O tempo acabou meu amigo…”.
Eu simplesmente fiquei estupefato ? Como o tempo acabou se até ontem eu tinha 30 anos ? Como é que o
tempo acabou e eu ainda não tive o filho tão sonhado, acabei o namoro e tão cedo não terei um carinho de um fim
de tarde ? Como isso ? Comprei um apartamento mas ainda não passei um momento de luxúria nele ?
Há alguma coisa errada !!! Eu deixei várias coisas para serem feitas e você chega sem nenhum pudor em frente
a sociedade bracarense e me diz que o tempo acabou ? Que amigo é esse ? Amigo é aquele que diz a verdade e
estende a mão quando mais precisamos. Amigo é aquele que compartilha momentos alegres e tristes. Não preciso
de um amigo que rouba a minha vida com uma notícia tão trágica, mesmo que seja verdade. Calma lá !!!
Não sei se o pior é a notícia ou são as reticências. E agora, o que me espera ? É algo indefinido ? Isso foi
o que você tentou dizer ? Por que não telefonou ou veio pessoalmente dar a notícia ? Seria melhor. Não sabe
você que as palavras são perigosas e piores são aquelas que não ficam claras pois quem as escreve acha que estão
sub entendidas e por isso não precisam de maiores explicações ?
E agora ? Não sei se entro em desespero e corro para viver tudo que ainda não fiz ou simplesmente aguardo
acuado o momento final, já que o tempo acabou… Realmente não sei o que fazer !!! Não sei quanto tempo me resta
antes do tempo realmente acabar !!! São segundos, minutos, meses ? Segundos não podem ser pois não teria dado
tempo para tanta reflexão…. Pera lá… Será que já estou morto e não sei ? Dizem que quando alguém está para
morrer ou está morto, sua vida passa diante de seus olhos feito um flashback ? Será que é isto que está acontecendo
comigo ?
Essa você me paga rapaz, não te conheço e você vem com uma notícia dessas ? Vou me tornar seu amigo só
para poder descontar essa brincadeira, nem que para isso eu tenha que aguardar até a próxima encarnação. Não,
não, vou fazer pior, virei como seu filho e só por crueldade serei o filho mais rebelde do mundo. Tipo esses filhos
que se revoltam sem nenhum motivo aparente. Isso sim é castigo. E já que morri uma vez por sua causa, na
próxima encarnação morrei por vontade própria, só para que perceba qual é dor de perder um filho. Dizem que
não há dor maior. Eu realmente não sei se há, e nunca saberei, pois você acabou com essa oportunidade.
Você tem noção do que está fazendo ? Não comigo, pois o meu sofrimento será menor se o tempo realmente
estiver acabado, mas, sim, com meus pais. Eles não suportariam. Um dia você terá filhos, quem sabe eu… Vamos
negociar esse tempo. Só quero que meu tempo acabe quando acabar o tempo dos meus pais. Encare isso como um
último pedido !!!
E por favor, nada mais de noticias tão trágicas pois agora não sei se “estamos vivos e deixamos a vida passar
diante de nossos olhos ? Ou estamos mortos e sonhamos que vivemos ?” Não sei !!! Só sei de uma coisa, se eu
sair vivo desta nunca mais perco tempo lendo email. Você me paga seu cabra da peste !!!!!

Crônicas I (Música na Globo)

27 de January de 2008 às 10:46 pm

Da mesma forma que eu acredito que ninguém consiga viver sem amar, eu acredito que ninguém consiga viver sem música. Mesmo que de forma insconciente a musicalidade está presente no ser humano. O pulsar do coração, a respiração, o caminhar e até mesmo o sexo. Sem som, sem gritos e gemidos, o sexo é sem paixão. Não confunda meu amigo amor e paixão. Sexo sem gritos e gemidos é sexo sem paixão, amor é outra coisa. Portanto, vida sem música é uma vida sem prazer.

Nessa ida ao Brasil fiquei encantado com a Globo pois finalmente acordou para o descaso que tinha a vários anos com a música. A TV Cultura tinha o JAZZ Brasil, o BEM Brasil, Minha Viola e outros. Mas a Globo a maior emissora de TV brasileira a anos vivia nas trevas. Entretanto, está agora de parabéns, pela qualidade do SOM Brasil. Nessa passagem de dois meses a minha terra natal tive a oportunidade de ver e ouvir dois especiais: um de Djavan e outro de Raul Seixas. Em particular no especial sobre Raulsito tive a oportunidade de conhecer uma das melhores bandas de rock nacional da atualidade: “Móveis Coloniais de Acaju”.

E hoje, aqui em Portugal, acabei de ver mais um episódio maravilhoso do SOM Brasil. Dessa vez um especial sobre Noel Rosa, uma das lendas da música brasileira. Poucos, infelizmente, devem conhecer a importãnica desse sambista brasileiro e da sua influnência na Música Popular Brasileira.

No especial de Noel Rosa, Maria Rita estava simplesmente divina. A voz e a presença de palco dispensam comentários. Mas pele primeira vez tive uma vontade enorme de levar aquela mulher para a cama. Não sei o que ela fez, mas que ficou maravilhosa ficou. Mas se eu pudesse também colocar na coleção a apresentadora Patrícia Pilar, não iria reclamar. O tempo parece ser um bálsamo para aquela mulher.

Sonhar não custa nada, mas como último desejo mesmo eu gostaria mesmo de dizer o seguinte:

“E às pessoas que eu detesto, diga sempre que eu não presto. Que meu lar é um botequim, que eu arruinei sua vida e não mereço a comida que você pagou pra mim.” (Último Desejo, Noel Rosa).

Sabedoria Popular

27 de January de 2008 às 6:48 pm

Sabe meu amigo, a coisa mais sensata que eu ouvi nesses últimos dias foi isso:

“O rio corre para o mar.”

Lembrei de você, do que está vivendo. Lembrei de mim que estou tentando ir contra a correnteza sem ter um barco a motor.

“Não adianta dar murro em ponto de faca”, ou você segue o rio e toma cuidado com a correnteza ou arruma um barco a motor. E me fiz a pergunta de um “milhão de dólares”: Que barco seria esse ?
E não tenho a resposta comigo. Então, enquanto não acho resposta “se correr o bicho pega se ficar o bicho come”.

Sexta, depois da volta IV

26 de January de 2008 às 9:21 am

Ontem infelizmente, não consegui terminar de escrever tudo o que tinha para ser dito.
E terminei sendo injusto em algumas coisas e com algumas pessoas e de certa forma não completamente honesto.

Quando disse que sustentei um relacionamento por causa desse medo que tenho não estava mentindo. Era pura verdade. Mas é claro que ainda gostava muito da pessoa. Sei que me perguntou diversas vezes se eu tinha certeza sobre o término e eu disse que sim. Mas disse isso apenas para não ser mais uma vez recriminado. O termíno partiu de mim, a palavra final foi minha. Mas fiz isso ainda gostando, não sei se muito, ou se pouco. Ainda não aprendi a medir essas coisas. Mas tenho a certeza que ainda gostava. Felizmente, ao tomar a decisão lembrei de você e das coisas que aconteceram. E lembrei de uma frase que me disse várias vezes: “goste antes de você”.

Essa frase misturada com um sentimento de culpa de erro constante muitas vezes fez de mim um completo egoísta. Sim, sempre fui muito egoísta em todos os relacionamentos pois as coisas orbitavam em minha volta. Não que eu fosse grosso, rabugento ou brigasse o tempo todo. Mas de uma certa forma por eu ser completamente o oposto disso eu conseguia fazer com que as pessoas vivessem o meu sonho e por muito tempo esquecesse o delas. Considero isso egoísmo. E você não tem idéia do que se pode conseguir sendo assim. Mas espero que não me interprete de forma errada como tem o costume de fazer. E principalmente não pense que uso essas coisas como armas. Não… Nunca… Tenho vários defeitos, mas nenhuma delas pode reclamar de eu não ter sido carinhoso, romãntico, antecioso, compreensivo, sedutor, etc. Eu sou assim porque gosto de ser e porque me faz bem. Mas também não posso deixar de confessar que isso abre diversas outras portas, pois quase nenhum homem é dessa maneira.

Então, para concluir o meu raciocínio… Terminei gostando, mas terminei no momento em que se continuasse iria deixar de gostar de mim. E naquele momento não estava sendo egoísta, pois aprendi depois de muito a me entender melhor e a gostar de mim sem ser egoísta. Isso foi um passo muito importante e você não faz idéia de como foi difícil e doloroso. Mas aprendi. Mas não pense que foi uma coisa fácil. Não foi… E não pense que é. E concordo plenamente com você quando diz que tenho uma tendência a gostar mais dos outros do que de mim. Eu realmente tenho esse problema, mas tenho melhorado muito e muito mesmo. Talvez seja uma forma de compensar o egoísmo. Não sei. E é até engraçado porque não combina com essa tendência a ser egoísta. E aí são batalhas e mais batalhas para conseguir um equilíbrio.

Tenho mais uma confissão para fazer.

Quando fui ao Brasil não a procurei de imediato. Não por raiva ou nada parecido. Mas porque tinha medo que esse equilíbrio fosse embora, porque eu ainda gostava. Primeiro tive que ver os amigos, ver gente. E na maioria das vezes sem ficar com ninguém. Muitas vezes o que eu queria era aquele jogo inicial de quando você conhece a pessoa. Joguei telefone fora, apaguei telefone que colocaram no meu celular e não liguei em várias situações. Eu queria apenas o sorriso, a conversa e a conquista. E é claro queria apenas isso porque nenhuma delas tinha me fascinado. E então, a procurei mas ela não queria falar comigo.

Foi então que decidi tentar conversar no dia da assinatura dos papéis. Confesso e pode me recriminar. Não sei onde eu estava com a cabeça. Deve ter sido horrível para ela me ver naquela situação depois de seis meses afastado. E é claro… Ela não falou comigo. Se ela soubesse que aquele indiferença me fez tanto mal… Mas tudo bem. Confesso que fui estúpido na escolha da hora e do local. Mas foi a única oportunidade que tive… Pelo menos diferente do que você pensa, eu tento mesmo quando ninguém tentaria, eu tento. Sei que o momento foi errado, mas confesso para você que ficaria chateado comigo mesmo se não tivesse ido. Mas confesso que não esperava essa reação por parte dela. E agora aceito suas recriminações. Sim foi ingenuidade da minha parte, eu deveria ter procurado saber se ela estava no momento para poder olhar nos meus olhos.
Mas antes de você me recriminar mais ainda, devo dizer que tenho aprendido a prever a reação das pessoas… E posso dizer até com orgulho que sou bom nisso.

Para finalizar essa nossa conversa, há mais um acontecimento nesse dia dos papéis. Nesse dia tive a felicidade ou infelicidade de ir a um jantar de trabalho, onde “conheci” uma pessoa fascinante e interessante. Sabe aquela pessoa por quem eu me apaixonei? Se essa pessoa soubesse que apesar da noite ter sido mais do que agradável a cena da manhã me perseguia e me persegiu até eu chegar em casa e conseguir chorar sem que você percebesse. Se essa pessoa soubesse disso talvez alguns atritos que tivemos poderiam nunca ter existido. E por quê o infelizmente ? Porque a última coisa que precisava quando estive no Brasil era me apaixonar.

Acho que você sabe disso, quando estou apaixonado tenho tendências a fazer coisas insensatas. Contudo, acho que dessa fez não ultrapassei muitos limites. E é claro essa paixão não foi ruim, pelo contrário, trouxe vida a minha vida.

Eu sei o que iria me dizer depois dessa nossa conversar, mas no momento não quero ouvir.

Sexta, depois da volta III

26 de January de 2008 às 12:17 am

Estou muito cansado de tudo. Do hoje e da vida que tenho levado.
Gostaria que você ouvisse essa música para saber o que sinto.

Um homem também chora
Menina morena
Também deseja colo
Palavras amenas…

Precisa de carinho
Precisa de ternura
Precisa de um abrao
Da própria candura…

Guerreiros são pessoas
Tão fortes, tão frágeis
Guerreiros são meninos
No fundo do peito…

Eu choro e tenho medo do que o meu desejo e os meus esforços para parar de chorar possam fazer com minha vida.
Já estou num estado de percepção completamente alterado, mas espero que as coisas que estou escrevendo ainda façam sentido. E que um dia possa ler.

Nunca lhe confeissei isso, mas todas as suas tentativas de me afastar do mundo das drogas foram fracassadas. Nunca confessei isso para você e nunca teria coragem de o fazer. Isso não significa que experimentei drogas ou sou um viciado. Não. Nunca experimentei nenhuma droga ilítica. A única coisa que uso para alterar a minha percepção do mundo é o alcool. E uso de uma forma controlada. Sei que deve estar confuso(a) com a minha afirmação… Sei disso pois também levei muito tempo para entender a minha relação com esse mundo. E sabe por que não uso drogas ? Não porque tenha tido alguma influência sua. Talvez, mas de forma inconsciente. Evito a minha entrada no mundo das drogas porque com certeza iria gostar muito e isso iria se tornar um problema. E estou farto de problemas.

Confesso para você que tenho um fascínio pelo mundo das artes: música, poesia, teatro, etc… Gostaria de participar em cada uma das vertentes artisticas. Não sei se lhe disse, mas gostaria muito de ser jornalista publicitário ou escritor. Penso nessas coisas constatemente. Infelizmente, sei também que nesse mundo as drogas são um fator comum. E tenho medo. Mas isso não retira o meu fascínio por essa vida mundana.

Mas desculpe, hoje estou completamente embreagado.

Next »